E-MAIL:    SENHA: 






E-mail
Senha
 
Cadastre-se!
IBEDESS > BIBLIOTECA

Enviar para um amigo  |  Imprimir  |  Voltar


Clique no arquivo desejado para fazer o download:
* Para visualizar Arquivos Restritos é necessário acessar a Área Restrita.


Caderneta da Gestante

A Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte disponibiliza, para todas as cidadãs da capital mineira, a nova caderneta da gestante. Ela contém orientações desde o pré-natal e o parto (incluindo Plano de Parto e preparo / incentivo ao parto normal) até o nascimento da criança e acompanhamento pós-alta. Disponível nos Centros de Saúde.


What you count is what you target: the implications of maternal death classification for tracking progress towards reducing maternal mortality in developing countries

Suzanne Cross , Jacqueline S Bell  & Wendy J Graham
Immpact, University of Aberdeen, Scotland
Bulletin of the World Health Organization 2010;88:147-153. doi: 10.2471/BLT.09.063537

Available online at: http://www.who.int/bulletin/volumes/88/2/09-063537/en/index.html

“……….The first target of the fifth United Nations Millennium Development Goal is to reduce maternal mortality by 75% between 1990 and 2015. This target is critically off track. Despite difficulties inherent in measuring maternal mortality, interventions aimed at reducing it must be monitored and evaluated to determine the most effective strategies in different contexts. In some contexts, the direct causes of maternal death, such as haemorrhage and sepsis, predominate and can be tackled effectively through providing access to skilled birth attendance and emergency obstetric care.

In others, indirect causes of maternal death, such as HIV/AIDS and malaria, make a significant contribution and require alternative interventions. Methods of planning and evaluating maternal health interventions that do not differentiate between direct and indirect maternal deaths may lead to unrealistic expectations of effectiveness or mask progress in tackling specific causes. Furthermore, the need for additional or alternative interventions to tackle the causes of indirect maternal death may not be recognized if all-cause maternal death is used as the sole outcome indicator.

This article illustrates the importance of differentiating between direct and indirect maternal deaths by analysing historical data from England and Wales and contemporary data from Ghana, Rwanda and South Africa.

The principal aim of the paper is to highlight the need to differentiate deaths in this way when evaluating maternal mortality, particularly when judging progress towards the fifth Millennium Development Goal. It is recommended that the potential effect of maternity services failing to take indirect maternal deaths into account should be modelled………….”

 *      *     *
This message from the Pan American Health Organization, PAHO/WHO.


Acolhimento com Classificação de Risco em Obstetrícia - SUS-BH

A Comissão Perinatal da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, em parceria com a Associação de Ginecologistas e Obstetras de Minas Gerais (SOGIMIG) e as maternidades públicas de Belo Horizonte, buscando reduzir a mortalidade materna em Belo Horizonte, humanizar o atendimento e facilitar o acesso da mulher no ciclo gravídico puerperal aos serviços de saúde, além de melhorar o processo de trabalho nas maternidades, apresenta a proposta de implantação do Acolhimento com Classificação de Risco (ACCR) nas maternidades do SUS-BH.

Texto e fonte: Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte. Material encaminhado pela Comissão Perinatal - SMSA-BH 

 


Acolhimento e Classificação de Risco nos Serviços de Urgência

Fonte: Ministério da Saúde - Secretaria de Atenção à Saúde - Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS

Material encaminhado ao IBEDESS pela Coordenação da Comissão Perinatal - SMSA-BH


Redes de Produção de Saúde

Fonte: MINISTÉRIO DA SAÚDE - Secretaria de Atenção à Saúde - Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS

Material enviado ao IBEDESS pela Coordenação da Comissão Perinatal - SMSA-BH


Livro Parto Normal

Livro sobre Parto Normal preparado a partir do seminário sobre o tema, promovido pela SOGIMIG e a SMS/BH em agosto de 2008. 


Portaria 1083

Comitê de Cooperação Técnica Integrada à Gestão Descentralizada do Sistema Único de Saúde (SUS)


Portaria 1084
28/05/2009

Altera o prazo para encaminhamento dos projetos de adequação dos Hospitais Maternidade de Referência do Sistema Único de Saúde aos requisitos de ambiência e humanização para atenção ao parto e ao nascimento.


Resolução RDC
28/05/2009

Trata do Regulamento Técnico para os procedimentos hemoterápicos, incluindo a coleta, o processamento, a testagem, o armazenamento, o transporte, o controle de qualidade e o uso humano de sangue, e seus componentes, obtidos do sangue venoso, do cordão umbilical, da placenta e da medula óssea.


Bruxas, comadres e parteiras. A obscura história das mulheres e a ciência

A primeira parte da pesquisa realizada na Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais francesa, entre 1995 e 1996, pela Professora Anayansi Correa Brenes sai publicada em livro pelo selo Pelicano Edições da Editora Coopmed. Bruxas, comadres ou parteiras. A obscura história das mulheres e a ciência foi dividido em três partes e aborda: a raiz histórica da profissão das sages-femmes ou parteiras (instruídas) francesas; a Igreja e o Estado na política de nascimentos e o caminhar de uma arte para ciência: a invenção da cesariana em vida. Diferentemente de Brasil ou Estados Unidos, a França possui escola de graduação para parteiras e uma das diretoras do Colégio de Parteiras Francesas, Christine Blanchot-Isola, escreveu o prefácio do livro.
Tradicionalmente, os partos e seus cuidados foram realizados por mulheres conhecidas na comunidade como comadres ou parteiras. Ao longo dos séculos, o trabalho voluntário dessas mulheres foi sendo transformado em ofício e, depois, em profissão, acarretando nessa mudança, primeiramente, a entrada de outras mulheres (jovens, solteiras ou viúvas, sem filhos); depois, a da ciência e dos instrumentos cirúrgicos; e, finalmente, a dos homens...

Editora Pelicano - 2005
96 páginas

Venda: NEMS - Nucleo de Estudo Mulher e Saúde , na Faculdade de Medicina UFMG- (3º e 5º) Av.Alfredo Balena, 190/Sl.818 ou na loja virtual da COOPMED

 


Documento OPAS

Documento da Organização Pan-Americana:

Práticas na assistência ao parto benéficas para a nutrição e saúde de mães e bebês.


Movimento BH Pelo Parto Normal

Cenário atual: A necessidade de mudança do modelo assistencial vigente, privilegiando o parto normal e reduzindo o número de cesarianas desnecessárias.


O modelo de atenção obstétrica no setor de Saúde Suplementar no Brasil: cenários e perspectivas.

O Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS apresentam os diversos aspectos relacionados à atenção ao parto e ao nascimento, dando prosseguimento às ações propostas pelo Movimento em Prol do Parto Normal e pela Redução das Cesarianas Desnecessárias. No Brasil, o parto cirúrgico é predominante, principalmente no mercado privado de planos de saúde, com taxas de 80,72%, valor muito acima dos 15% recomendados pela Organização Mundial de saúde.

*Livro disponível na sede do IBEDESS

 


Parteiras: Escola de Mulheres

O livro  de Anayansi Brenes tenta dar seguimento a pesquisas realizadas no doutorado e pós-doutorado, tendo como campo de estudo a história de parteiras (científicas) e médicos  (cirurgiões parteiros) na construção da atenção ao parto, seculo XIX.
A história da Escola do Parto se passa em Paris, século XIX  e foi, segundo a historiografia francesa mais recente, a única Escola organizada e frequentada por mulheres na clara intenção de construir uma profissão sobre e para as mulheres.
O corpo das mulheres, sobretudo no parto, é o foco e a clínica é quase uma extensão das manobras do parto e da observação. Um novo caminhar com a ciência.
Fica ao leitor entender a difícil estrutura científica pedagógica, numa época em que as mulheres foram convocadas para cumprir o papel, " dito natural", de esposas e mães, na família.

O livro está á venda no Nucleo de Estudo Mulher e Saúde - NEMS, na Faculdade de Medicina UFMG (Av. Alfredo Balena, 190 / Sl 818, 3ª e 5ª). Informações: 31 3409 9814